1) MORFOLOGIA E CITOLOGIA BACTERIANA
As células bacterianas são caracterizadas morfologicamente pelo seu tamanho, forma e arranjo.
1.1) Tamanho
-
Variam entre 0,2 por 2m de diâmetro.
1.2) Forma
1.2.1) Cocos – são células esféricas (arredondadas)
1.2.2) Bacilos - são células, alongadas, cilíndricas, em forma de bastonetes. Ex.: Escherichia coli, Salmonella sp.
1.2.3) Espiroquetas, espirilos e vibriões - Formas helicoidais ou espiraladas possuem uma ou mais curvaturas.
- Espirilos: possuem corpo rígido dando uma ou mais voltas espirais em torno do próprio eixo; locomovem-se à custa de
flagelos externos.
Ex: Aquaspirillum serpens
- Espiroquetas: São flexíveis e locomovem-se por meio de filamento axial
Ex: Treponema pallidum, Leptospira interrogans
- Vibrião: formas espiraladas muito curtas, assumindo a forma de vírgula.
Ex: Vibrio cholerae
Cocos
Bacilos
Espiroqueta
Espirilos
Vibrião
1.3) Arranjo
- Diplococos: cocos agrupados aos pares.
Ex:
Neisseria gonorrhoeae (gonococo), Neisseria meningitides (meningococo).
- Tétrades: agrupamentos de quatro cocos.
- Sarcina: agrupamentos de oito cocos em forma cúbica.
Ex.:
gênero Sarcina.
- Estreptococos: cocos agrupados em cadeias.
Ex.:
Streptococcus pyogenes, Streptococcus mutans.
Cocobacilo
- Estafilococos: cocos em grupos irregulares, lembrando cachos de uva.
Ex.:
Staphylococcus aureus.
- Diplobacilo: bacilos agrupados aos pares.
- Estreptobacilos: bacilos agrupados em cadeias.
Diplococos
Estreptococos
Estafilococos
Tétrade
Sarcina
Diplobacilos
Estreptobacilos
2) CITOLOGIA BACTERIANA
Na figura abaixo estão representadas esquematicamente algumas estruturas bacterianas.
Fímbria
Parede bacteriana
Plasmídio
Membrana plasmática
Cápsula


Ribossomos
Mesossomo
Flagelo
Cromossomo
Citoplasma
2.4) Parede celular
A parede celular bacteriana é uma estrutura rígida que recobre a membrana plasmática e confere forma às
bactérias. Ela é constituída por uma macromolécula complexa denominada peptideoglicano. Além disso, a parede celular
mantém a pressão osmótica intrabacteriana, impedindo o rompimento da célula devido à entrada de água (lise osmótica). A
divisão das bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, de acordo com sua resposta à coloração de Gram é decorrente das
diferenças na composição e estrutura da parede celular.
- Gram Positivas: possuem em sua parede celular múltiplas camadas de peptideoglicano ligado a ácido teicóico, o que torna
a parede dessas bactérias mais espessa e rígida que a das bactérias Gram negativas, essas bactérias são sensíveis à
lisozima e sua parede constitui o local de ação de alguns antibióticos.
- Gram Negativas: a parede celular dessas bactérias é menos espessa e elas são mais complexas que as Gram positivas
por apresentarem uma membrana externa cobrindo a única camada de peptideoglicano. A membrana externa atua como
uma barreira seletiva para a entrada e saída de algumas substâncias da célula e podendo ainda causar efeitos tóxicos
sérios em indivíduos infectados. A estrutura da membrana externa é composta por fosfolipídios, lipoproteínas e
lipopolissacarídeos (LPS). Os lipopolissacarídeos estão localizados exclusivamente na camada externa da membrana,
enquanto que os fosfolipídeos estão presentes quase completamente na camada interna. A porção lipídica do LPS é
também conhecida como endotoxina e pode causar febre e choque.
Meio extracelular
Ácido teicoíco
Meio
extracelular
Porção polissacarídica
do LPS
Parede
celular
Peptideoglicano
Membrana externa
Peptideoglicano
Membrana
plasmática
Membrana
plasmática
Citoplasma
Citoplasma
Gram
positiva
Parede
celular
Gram
negativa
2.1) Flagelos
Flagelos são estruturas especiais de locomoção, constituídas por uma estrutura protéica denominada flagelina, formando
longos filamentos delgados e ondulados de 3-12 m que partem do corpo da bactéria e se estendem externamente à parede
celular. As bactérias recebem denominações especiais de acordo com a distribuição dos flagelos: monotríquias (um flagelo
em uma das extremidades); anfitríquias (um flagelo em cada extremidade); lofotríquias (tufo de flagelos na extremidade); e
peritríquias (cercadas de flagelos).
2.2) Fímbrias
As fímbrias ou "Pili" são estruturas filamentosas mais curtas e delicadas que os flagelos, constituídas por uma proteína
chamada pilina e presentes em muitas bactérias especialmente Gram negativas. Sua função está relacionada a aderência
às superfícies mucosas, e também com a troca de material genético durante a conjugação bacteriana (fímbria sexual)
2.3) Glicocálice
Muitas bactérias apresentam, externamente à parede celular, uma camada viscosa denominada glicocálice que constitui
uma forma de proteção contra o dessecamento. O glicocálice está relacionado com a virulência da bactéria, pois confere
capacidade de adesão a superfícies e resistência à fagocitose, de modo que, em uma mesma espécie, as amostras
capsuladas são mais virulentas que as não capsuladas. Geralmente o glicocálice é de natureza polissacarídica. Se a
estrutura é organizada e está firmemente aderido à parede celular, o glicocálice é descrito como uma cápsula. Se a estrutura
é pouco organizada e está fracamente aderida à parede celular, o glicocálice é descrito como uma camada viscosa ou
limosa.
2.5) Membrana plasmática
A membrana plasmática é constituída principalmente de fosfolipídeos e proteínas, desempenhando importante papel na
permeabilidade seletiva da célula. Ela difere da membrana plasmática das células eucarióticas por:
- não apresentar esteróides em sua composição;
- ser sede de numerosas enzimas do metabolismo responsáveis pela síntese de biomoléculas (lipídeos e ATP);
- controlar a separação dos cromossomos e a divisão celular através dos mesossomos.
2.6) Mesossomos
Os mesossomos são invaginações da membrana plasmática. Os mesossomos estão ligados ao material genético da célula
estando envolvidos na replicação de DNA e na divisão celular.
2.7) Estruturas Celulares Internas
2.7.1) Citoplasma:
-
Citoplasma: em qualquer célula, o citoplasma tem em torno de 80% de água, ácido nucléicos, proteínas,
carboidratos, lipídeos, íons inorgânicos, compostos de baixo peso molecular e partículas com várias funções. Esse
fluido denso é o sítio de muitas reações químicas.
-
Ribossomos: responsáveis pela síntese protéica (tradução) estão presentes em grande número no citoplasma das
células bacterianas.
2.7.2) Material genético
-
Nucleóide: as bactérias apresentam um cromossomo circular constituído por uma única molécula de DNA não
delimitado por membrana nuclear. O cromossomo bacteriano contém todas as informações essenciais ao
crescimento bacteriano.
-
Plasmídeo: algumas bactérias possuem moléculas menores de DNA, também circulares, cujos genes não codificam
características essenciais, porém muitas vezes conferem vantagens seletivas à bactéria que os possui. Essas
moléculas chamadas plasmídeos são capazes de replicação independente da cromossômica, e podem existir em
número variável no citoplasma bacteriano.
2.8) Esporos
Os esporos que se formam dentro da célula, chamados endosporos, são exclusivos das bactérias pertencentes ao gênero
Bacillus e Clostridium. Eles possuem parede celular espessa e são altamente resistentes a agentes físicos (dessecação,
aquecimento e radiação) e químicos (desinfetantes). Os esporos surgem quando a célula bacteriana não se encontra em um
meio ideal para o seu desenvolvimento. A bactéria produtora pode crescer e multiplicar-se por muitas gerações. Em alguma
etapa do desenvolvimento, em ambiente com condições desfavoráveis (falta de nutrientes, tensão de O 2, temperatura),
ocorre no interior do citoplasma a síntese do esporo (sua formação leva por volta de 6 horas). Os esporos têm pouca
atividade metabólica, podendo permanecer latente por longos períodos, representando uma forma de sobrevivência e não
de reprodução.
Download

1) MORFOLOGIA BACTERIANA